Feto mumificado: Idosa de 75 anos guardou um bebê morto por 56 anos e deu a luz

Bizarro porém real! A marroquina Zahra Aboitalib, de 75 anos, deu à luz a um bebê petrificado após ficar grávida por 56 anos. A história apareceu na internet no começo deste ano, mas o fato data de 1955, ano em que ela ficou grávida. Seu bebê só foi nascer 56 anos depois em 2011.



Para espanto de todos, o corpo da mãe havia transformado seu filho numa espécie de pedra.
Na época Zahra sentiu as dores procurou um hospital, mas fugiu ao ver outra mulher morrer na mesa de cirurgia durante uma cesárea. Inexplicavelmente, ela parou de sentir dores. Ela e os familiares acreditavam num mito local do “bebê dormindo”, que pregava que um feto poderia ficar hibernando dentro da barriga da mãe por um tempo indeterminado.

Em 2011, 56 anos depois, a mulher já com 75 anos de idade começou a sentir as dores novamente e no hospital os exames detectaram que ela havia passado por uma gravidez ectópca (onde o bebê se desenvolve fora do útero da mãe).  O corpo do neném havia se fundido com os órgãos internos e para se proteger da infecção o corpo desenvolveu uma camada de material calcificado em torno do bebê morto.



A cirurgia para tirar o feto calcificado foi bastante delicada, pois ao longo das décadas o feto havia se integrado com a parede abdominal mas os cirurgiões conseguiram resolver o problema com o auxílio de tomografias e ressonâncias. Sem esses dados, os médicos poderiam ter errado o local e causado uma hemorragia interna, matando Zahra. Há registros de 300 casos parecidos. O bebê dessa marroquina ganhou destaque por ter passado tanto tempo no interior na mãe.

Feto mumificado: Idosa ficou 56 anos com feto morto dentro de seu corpo.

INSCREVA-SE E RECEBA NOVIDADES:

Google+

Recentes

Sobre nós

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque sed felis. Aliquam sit amet felis. Mauris semper, velit semper laoreet dictum, quam diam dictum urna, nec placerat elit nisl in quam.
Etiam augue pede, molestie eget, rhoncus at, convallis ut, eros. Aliquam pharetra. Nulla in tellus eget odio sagittis blandit. Maecenas at nisl.